Rede de pesquisa celular vai ampliar conhecimento sobre células-tronco

Os pesquisadores brasileiros que estudam células-tronco e os pacientes que aguardam os resultados dessas pesquisas como esperança de cura para doenças ganharão ainda este ano um aliado para o desenvolvimento e a ampliação dos estudos dessa área. Os ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia devem lançar ainda este mês os primeiros editais para criação da Rede Nacional de Terapia Celular (RNTC). A idéia é reunir os melhores núcleos de pesquisa da área para fomentar o desenvolvimento de alternativas para as doenças que mais atingem os brasileiros e que têm perspectiva de tratamento por meio de terapia celular, como as cardiopatias, por exemplo. Além disso, a rede deve possibilitar que o país passe da fase de estudos pré-clínicos – com modelos animais – para a aplicação médica das células-tronco em pacientes.

O anúncio, feito por representantes do Ministério da Saúde, durante a 60ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), “é muito positivo” na avaliação da geneticista e pesquisadora do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP), Mayana Zatz.

“A iniciativa é muito importante, os grupos interagirem vai ser um ganho para todos nós. E é uma prática que a gente precisa melhorar; no exterior há uma interação muito grande entre os grupos. É uma série de competências que se somarem a gente só tem a ganhar”, apontou.

A previsão inicial de investimentos na rede é R$ 22 milhões, divididos em dois editais de financiamento: um para pesquisa e outro para infra-estrutura.

De acordo com a professora Ângela Luso, coordenadora do banco de sangue de cordão umbilical da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), atualmente, há pelo menos cinco grupos de cientistas e médicos brasileiros com resultados avançados na pesquisa com células-tronco em São Paulo, no Rio de Janeiro, na Bahia e no Rio Grande do Sul.

A expectativa das pesquisadoras é que a criação da rede possa ajudar a superar dois gargalos da pesquisa com células-tronco no Brasil: o baixo suporte financeiro e a dificuldade de importar material para experimentações e testes.
Fonte: Agência Brasil
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...